Total de visualizações de página

quinta-feira, 18 de julho de 2013

ROTEIRO “ENTRE SERRAS: DA PIEDADE AO CARAÇA” EVIDENCIA ATRATIVOS HISTÓRICO-CULTURAL DE MINAS



Quatro municípios da Estrada Real, localizados na área central de Minas Gerais, formam o “ENTRE SERRAS: DA PIEDADE AO CARAÇA”, roteiro que une dois dos mais belos cartões postais do estado: a Serra da Piedade, em Caeté, e a Serra do Caraça, em Catas Altas. Entre os dois pontos estão os municípios de Barão de Cocais e Santa Bárbara, que completam o roteiro. O trajeto de aproximadamente 100km oferece ao visitante dezenas de atrativos naturais, religiosos e históricos, a começar pelos santuários erguidos nas duas serras.

No Santuário da Piedade estão a Ermida de Nossa Senhora da Piedade, a Igreja Abrigo, o Restaurante Panorâmico, o Cruzeiro e a Casa dos Romeiros. O Santuário do Caraça abriga o museu, biblioteca de raras obras e a primeira igreja neogótica do Brasil, enfeitada por vitrais franceses doados por D. Pedro II. Sítio Arqueológico da Pedra Pintada, Bicame de Pedra, igrejas centenárias e casarios, além de belíssimas cachoeiras e manifestações folclóricas e culturais formam um circuito fascinante (veja mais atrações a seguir).

A definição do “ENTRE SERRAS: DA PIEDADE AO CARAÇA” é um dos resultados do Programa Vivendo a Estrada Real (VER), iniciativa fruto de parceria entre o SESI-MG e o Instituto Estrada Real. Caeté, Barão de Cocais, Santa Bárbara e Catas Altas participam do projeto-piloto do Programa, que busca contribuir para o fortalecimento da imagem e credibilidade da Estrada Real como um dos maiores destinos do país, repleto de atrativos naturais e histórico-culturais.

O nome foi escolhido do roteiro por moradores dos quatro municípios do projeto-piloto reunidos pelo Sebrae-MG – entidade que integra a rede de parceiros do Programa – por seu conhecimento da região e poder de influência para participar de um projeto de formação de lideranças locais. Mas essa é apenas uma das ações promovidas pelo Vivendo a Estrada Real. Juntamente à Secretaria de Estado de Turismo, Associação do Circuito do Ouro, FECOMÉRCIO, SESC-MG, SENAC-MG e prefeituras municipais, atividades de capacitação, sensibilização e difusão cultural são aplicadas na região desde 2012. As iniciativas contemplam áreas como educação, gastronomia, hotelaria e artesanato, sempre com o objetivo de fomentar o desenvolvimento econômico e social desses municípios.

O Vivendo a Estrada Real permanece nas cidades do projeto-piloto até dezembro de 2013. Após esse período, o Programa será levado a outras localidades da Estrada Real. Dos 199 municípios da Estrada Real, 169 estão localizados no estado de Minas Gerais. As cidades que participam do Programa integram o Caminho de Sabarabuçu, trajeto aberto oficialmente pela Coroa Portuguesa como uma rota alternativa entre o Caminho dos Diamantes e a cidade de Ouro Preto, e Caminho dos Diamantes, rota que vai de Diamantina a Ouro Preto.

Roteiro: “Entre Serras: da Piedade ao Caraça”

Caeté
Distância de Belo Horizonte: 52 km
População: 40,4 mil

Serra e Santuário da Piedade: na subida até o topo – onde estão a Ermida de Nossa Senhora da Piedade, a Igreja Abrigo, o Restaurante Panorâmico, o Cruzeiro e a Casa dos Romeiros – acompanhamos a via sacra em 15 painéis de azulejos. A serra está a 1746m acima do nível do mar.

Cachoeira de Santo Antônio: de quase 50m de altura, a água cristalina cai em “véu de noiva” e forma um imenso lago transparente.

Matriz de Nossa Senhora do Bom Sucesso: com planta de autoria do pai de Aleijadinho, é a primeira igreja construída em alvenaria em Minas Gerais. Encontra-se próxima a outros atrativos históricos, como o pelourinho e um chafariz de 1800.

Museu Regional de Caeté: preservando a riqueza cultural local, o museu guarda um acervo composto por mobiliário e objetos de época, além de inúmeras peças da arte popular e sacra.

Barão de Cocais
Distância de Belo Horizonte: 93 km
População: 28,4 mil

Vila Colonial de Cocais: distrito contemplado com uma belíssima paisagem, o lugarejo é destino certo para aqueles que buscam tranquilidade.

Sítio Arqueológico da Pedra Pintada: o paredão é prova de que esta região já era habitada por indígenas muito antes do seu povoamento. Nele estão registradas pinturas rupestres datadas de seis mil anos antes de Cristo.

Santuário de São João Batista: inaugurada em 1785 – quase 20 anos após o início de sua construção –, a Igreja foi o primeiro projeto arquitetônico de Aleijadinho e, no teto, há uma pintura atribuída ao Mestre Ataíde.

Centro de Referência Histórica: o espaço aborda o processo e os elementos singulares na construção do município e de seu povo e costumes, assim como a história de conflitos e de filhos ilustres.

Santa Bárbara
Distância de Belo Horizonte: 107 km
População: 27,8 mil

Matriz de Santo Antônio: erguida em homenagem a Santo Antônio – santo padroeiro dos bandeirantes –, a Igreja conta com pinturas de Mestre Ataíde, cujo trabalho no forro da capela-mor é considerado uma obra-prima do gênero barroco.

Memorial Affonso Penna: o espaço tem o objetivo de resgatar e difundir a história de Affonso Penna, filho de Santa Bárbara que se tornou o primeiro mineiro a assumir a presidência do Brasil.

Casa do Mel: para desvendar o processo de fabricação do famoso mel de Santa Bárbara e mostrar um pouco mais dessa cultura aos visitantes, o espaço foi criado.

Igreja de Santo Amaro (no distrito de Brumal): seu interior é ornado por enfeites marmoreados, chinesices e um altar-mor em madeira trabalhada, com imagens de querubins, flores e pássaros nas colunas.

Catas Altas
Distância de Belo Horizonte: 120 km
População: 4,8 mil

Serra e Santuário do Caraça: casa do lobo-guará – que, de noite, costuma visitar o Santuário para “jantar” – o Caraça é mais que uma reserva natural. Ali estão um museu, uma biblioteca de raras obras e a primeira igreja neogótica do Brasil, enfeitada por vitrais franceses doados por D. Pedro II.

Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição: um dos mais importantes templos de Minas, a Matriz apresenta elementos arquitetônicos raros. Seu interior inacabado possibilita conhecer as etapas de construção e policromia.

Bicame de Pedra: a poucos quilômetros de Catas Altas, existem cerca de 100 metros de um antigo aqueduto de pedra que levava água às fazendas e minerações da região.

Pico do Baiano: com 2,16 mil metros de altura, esse paredão é o maior de Minas Gerais e um dos maiores do Brasil. Leva-se, em média, quatro dias de escalada para atingir o seu topo.

PROGRAMA VIVENDO A ESTRADA REAL – VER
Idealização e realização: Instituto Estrada Real e SESI Minas Gerais - FIEMG
Apoio: Prefeitura Municipal de Catas Altas, Prefeitura Municipal de Santa Bárbara, Prefeitura Municipal de Barão de Cocais e Prefeitura Municipal de Caeté, Sistema FECOMÉRCIO Minas, SESC Minas e SENAC Minas, SEBRAE-MG, Associação do Circuito do Ouro e Secretaria de Estado de Turismo de Minas Gerais

Nenhum comentário: